Plantão
POLÍTICA

Bolsonaro é líder; Doria decepciona e empata com Alckmin, diz DataPoder360

Publicado dia 05/06/2018 às 12h54min | Atualizado dia 21/06/2018 às 09h11min
Militar do PSL firma-se acima de 20% Haddad (PT) tem 8%; Alckmin, só 7% Bolsonaro vence todos no 2º turno

Pesquisa DataPoder360 revela que Jair Bolsonaro (PSL) segue na liderança isolada na corrida pela Presidência da República. Nos 3 cenários testados, o capitão do Exército na Reserva pontua de 21% a 25%, conforme a combinação de nomes apresentados. O militar nunca esteve tão bem.

Pela primeira vez neste ano de 2018 o nome do ex-prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) foi testado como candidato a presidente (no momento, ele postula o governo paulista). Doria decepcionou: teve apenas 6%. Isso o coloca em situação de empate técnico com o nome oficial da pré-candidatura tucana ao Planalto, Geraldo Alckmin, que pontua 6% ou 7%, a depender do cenário.

Esse desempenho de João Doria esfria a hipótese ainda desejada por parte do PSDB de trocar o candidato a presidente. Uma ala tucana achava que Doria poderia ser mais competitivo do que Alckmin, por evocar mudanças e renovação. Não é o que os números mostram. 

O levantamento DataPoder360 é o maior já realizado pela divisão de pesquisasdo portal Poder360. Desta vez, foram 10.500 entrevistas por meio de telefones fixos e celulares. Foram atingidas 349 cidades em todas as regiões do país, de 25 a 31 de maio.

A abrangência das 10.500 entrevistas permitiu uma radiografia precisa da corrida presidencial neste momento, com possibilidades de cruzamentos relevantes considerando faixa etária, gênero, renda e nível de escolaridade. A margem de erro para o total da amostra é de 1,8 ponto percentual, para mais ou para menos. O registro do estudo no TSE é BR-09186/2018.

O DataPoder360 testou 3 cenários. Em 2 deles foram incluídos apenas os pré-candidatos mais competitivos –os que já pontuam acima de 5% em todos os levantamentos. A 3ª combinação de nomes é mais longa e considera também os pré-candidatos que estão na lanterna dessa disputa.

Como muitos eleitores ainda estão desinteressados, o objetivo de apresentar cenários mais curtos é provocar o mínimo de dispersão no momento em que o entrevistado é consultado sobre as opções de nomes para presidente da República.

No caso do PT, o DataPoder360 optou por testar o nome do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad. Não foi apresentado o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, neste momento condenado em 2ª Instância e cumprindo pena da Lava Jato em Curitiba (PR).

Chama a atenção o número de pessoas que dizem escolher votar em branco, nulo ou que ainda não sabem em quem votar. O percentual somado dessas categorias de “não voto” vai de 36% a 40%. São percentuais consistentes com o resultado da eleição no Tocantins para governador no último domingo (3.jun.2018), que teve 43,5% de brancos, nulos e abstenções.

Neste levantamento do DataPoder360 foram apresentados primeiro os 2 cenários mais curtos. Em seguida, o mais longo.

Leia abaixo as tabelas com os resultados gerais dessas 3 combinações de nomes e uma lista dos maiores e dos menores percentuais de cada pré-candidato:

CENÁRIOS DE 2º TURNO

O DataPoder360 testou 4 cenários de possíveis embates de 2º turno. Em todos Jair Bolsonaro vence com vantagem de 10 pontos percentuais ou mais contra seus adversários.

O “não voto” é alto nas 4 simulações. Brancos, nulos e pessoas que não sabem ou não respondem somam de 41% a 48%, conforme a combinação de candidatos.

O percentual de “não voto” é maior (48%) no confronto de Bolsonaro com Alckmin. Uma indicação das dificuldades do tucano para atrair indecisos.


CONHEÇA O DATAPODER360

A operação jornalística que comanda o Drive e o portal de notícias Poder360 lançou em abril de 2017 sua divisão própria de pesquisas: o DataPoder360.

As sondagens nacionais são periódicas. O objetivo é estudar temas de interesse político, econômico e social. Tudo com a precisão, seriedade e credibilidade do Poder360.

SAIBA QUAL É A METODOLOGIA

O DataPoder360 faz suas pesquisas por meio telefônico a partir de uma base de dados com dezenas de milhões de números fixos e celulares em todas as regiões do país.

A seleção dos números discados é feita de maneira aleatória e automática pelo discador.

O estudo é aplicado por meio de 1 sistema IVR (Interactive Voice Response) no qual os participantes recebem uma ligação com uma gravação e respondem a perguntas por meio do teclado do telefone fixo ou celular.

Só ligações nas quais o entrevistado completa todas as respostas são consideradas. Entrevistas interrompidas ou incompletas são descartadas para não produzirem distorções na base de dados.

Os levantamentos telefônicos permitem alcançar segmentos da população que dificilmente respondem a pesquisas presenciais. É muito mais fácil atingir pessoas em áreas consideradas de risco ou inseguras –como comunidades carentes em grandes cidades– por meio de uma ligação telefônica do que indo até as residências ou tentando abordar esses cidadãos em pontos de fluxo fora dos seus bairros.

“É importante levar em conta que cada empresa usa uma metodologia diferente em suas pesquisas. O que é relevante é adotar 1 método consistente, que leve em conta a demografia do eleitorado brasileiro e que faça as ponderações corretas. É isso o que fazemos no DataPoder360”, explica o cientista político Rodolfo Costa Pinto.

Qual a diferença entre uma pesquisa realizada por telefone e outra na qual o entrevistado é abordado na rua ou é procurado em sua residência?

Estudos de intenção de voto com entrevistas presenciais têm suas características próprias, assim como as pesquisas telefônicas. Por exemplo, algumas pessoas podem se sentir mais à vontade para declarar seu voto olhando nos olhos do entrevistador. Outros se sentirão mais confortáveis fazendo isso ao telefone. Nenhum método é mais certo ou errado do que o outro. O importante é a consistência da metodologia e a possibilidade de repetir os estudos com frequência, pois a curva dos percentuais de cada candidato é que revela uma possível tendência, e não apenas 1 levantamento isolado e feito a cada 3 ou 4 meses”, explica Costa Pinto.

Para ler mais sobre as características metodológicas das pesquisas telefônicas, leia este texto detalhado.

O resultado final das pesquisas DataPoder360 é ponderado pelas variáveis de sexo, idade, grau de instrução e região de origem do entrevistado ou entrevistada. A ponderação é 1 procedimento estatístico que visa compensar eventuais desproporcionalidades entre a amostra e a população pesquisada. O objetivo é que a amostra reflita da maneira mais fiel possível o universo que se pretende retratar no estudo.

O DataPoder360 trabalha com uma margem de erro preferencialmente inferior a 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. Esse percentual pode variar em cada levantamento e os leitores são sempre informados detalhadamente sobre qual foi a metodologia utilizada.

Neste ano de 2018, as pesquisas de intenção de voto seguem estritamente todas as determinações legais e as resoluções da Justiça Eleitoral.

Esta rodada do DataPoder360 foi realizada de 25 a 31 de maio de 2018. Foram entrevistadas 10.500 pessoas com 16 anos ou mais em 349 cidades em todas as regiões do país. A margem de erro deste estudo é de 1,8 ponto percentual, para mais ou para menos.

O registro desta pesquisa no TSE é BR-09186/2018.

 

Fonte: Datapoder360
Para ouvir nossa rádio, baixe o aplicativo RadiosNet para celulares e tablets com Android ou iPhone/iPads.

Fale Conosco

Rua Maria Julia da Mota, 326, Centro Riacho das Almas - PE
(81) 9811-62033 | (81) 9962-68152 | (81) 9811-62033
radiocanaacontato@outlook.com